Italiano quebra recorde e corre 88 km para vencer Wings For Life

Kauana Araújo diretamente de Brasília

Ao todo, a Wings For Life World Run recebeu cerca de 130 mil participantes nesse último domingo, dia 08, data da realização da terceira edição da prova que é global e aconteceu simultaneamente em Brasília e em outros 32 países, em 12 fusos fusos horários diferentes.

O italiano Giorgio Calcaterra correu 88.44 km em Milão, na Itália e se tornou o campeão global da competição em 2016, batendo o recorde que havia sido estabelecido em 2015 pelo queniano Lemawork Ketema, de 79.9 km. Já em Brasília, local aonde a redação esteve cobrindo, o britânico Thomas Payn venceu entre os homens após um duelo muito acirrado com o brasiliense Kenny Souza. No feminino, a campeã foi a curitibana Letícia Saltori, que ficou em 14o lugar no mundial.

Com largada simultânea em 34 cidades ao redor do mundo, Giorgio Calcaterra correu durante 5h30 para chegar aos 88.44 km e vencer a prova no mundo todo, depois de superar o polonês Bartosz Olszewski, que completou 82.42 nas Cataratas do Niágara (CAN). Entre as mulheres, quem venceu a corrida global foi a japonesa Kaori Yoshida, que fez 65.71 km até ser alcançada pelo Catcher Car.

Leticia Saltori

No Brasil, o brasiliense Flávio Guimarães liderou a prova globalmente durante mais de uma hora, mas perdeu a liderança mundial por volta do quilômetro 20. Depois foi, ainda, ultrapassado pelo britânico Thomas Payn, campeão da Wings For Life World Run no Reino Unido no ano passado e que escolheu correr no Brasil este ano.
Mais tarde, a disputa acirrada pelo título nacional passou a ser entre Payn e o brasiliense Kenny Sousa, que ficaram lado a lado até os últimos metros. Kenny chegou a liderar a prova, mas o britânico conseguiu ultrapassá-lo pouco antes do “carro seguidor” alcançá-los e venceu a Wings For Life World Run novamente.

Entre as mulheres, a vencedora foi a curitibana Letícia Saltori, depois de completar 51.09 km. “Estou até emocionada. Nem eu acreditei que ia conseguir correr tanto. A causa foi o que me motivou. Achei que ia correr até 44 km, mas muita gente me incentivou pelo caminho”, contou Letícia.

Giorgio Calcaterra

Com um conceito inovador, a Wings For Life World Run dá a oportunidade para que qualquer pessoa corra, independentemente do nível de treinamento. Em 2016, mais de 30 cadeirantes se inscreveram na prova. Entre eles, dois brasilienses foram os campeões da prova. Adrielly de Jesus Rangel correu 17.64 km e já pensa no ano que vem. “Eu gostei muito de participar dessa prova. Vou treinar para estar aqui de novo em 2017, e aí vou querer alcançar 25 km”, disse Adrielly.

Depois de correr 36 km, Antonio de Oliveira Rodrigues venceu a Wings For Life World Run em Brasília na categoria cadeirantes. “Fiquei muito feliz de ter participado de uma prova como essa e feliz com o meu resultado. Nunca imaginei que completaria essa distância, estou surpreso comigo mesmo. Com certeza vou correr no ano que vem. Pretendo fazer 40 km e me superar novamente”, afirmou Antonio.

Quase cinco mil pessoas se inscreveram para a corrida em Brasília em 2016, que já tem data para o ano que vem: 7 de maio. Todo o valor arrecadado com as inscrições será revertido para a pesquisa da cura de lesão medular.