Tenha uma parceira (o) de treino e tenha certeza: a sua corrida será muito melhor

De modo bem sincero, vou confessar: nunca pensei que um dia faria um texto com um título desses. Por que? Lá vai: sempre gostei de correr sozinha, entendendo o esporte como um momento “só’’ meu.

Quando comecei, há uns cinco anos, percebi que correr precisava apenas da minha força de vontade e determinação e assim, deixei que ela me resgatasse. Deixei entrar em uma “bola” só minha, em um universo paralelo e até mesmo na corrida indoor (ou esteira, como preferir), o fone de ouvido me permitia achar que só havia eu naquele ambiente – e mais ninguém.

Mas, como sobre o destino nada sabemos, 2014 foi um ano implacável na minha jornada de corredora. Fiz os meus piores tempos em meias-maratonas, corri uma maratona com a cara, dor e coragem, porém, mesmo com toda a nuvem negra, pude encontrar pessoas que compartilhavam os mesmos desejos que os meus dentro do esporte. Pode-se dizer que demorei, mas que sim, encontrei definitivamente alguns parceiros de treinos perfeitos para que eu continue seguindo firme nos objetivos.

Uma delas é a Mariana Passos, portuguesa gente fina que entrou na minha vida ano passado, trazendo brilho, sinceridade e muita energia. Nos encontramos em uma corrida – como deveria ter sido – e no mesmo dia, marcamos uma outra.

Recém-chegada no Brasil, Mari viu na corrida a oportunidade de conhecer São Paulo, praticar um esporte e ganhar qualidade de vida e com o bom condicionamento, não demorou muito para alcançar…21km. Mesmo muito surpreendida, disse que admirava o modo como ela corria e que, se tudo desse certo, faríamos juntas uma prova, do começo ao fim.

Acredito que quando queremos muito que algo desse certo, quando desejamos bem lá no fundo de nossas almas, tudo conspira a favor. Desejei dar o meu máximo naquela prova noturna de 10km, quando alinhamos juntas pela primeira vez. Aceleramos juntas, quase caímos juntas e no final, demos o melhor abraço pós-prova. Exaustas sim, mas com a certeza  de que ponta a ponta do percurso escuro e mal organizado, nos apoiamos para seguir em frente e não recuar em momento algum.

Desse episódio em diante, no dia que eu alinho para correr com ela, o meu treino ou prova é sempre mais eficiente, melhor, alegre, único e marcante. Pode até ser que pace não esteja tão bom no dia, mas compensamos com a energia trocada, experiência e risadas compartilhadas. Criamos um laço com o asfalto para que eu percebesse que correr com está na mesma sintonia que você é incrível – e inesquecível.

Daquele dia em diante, percebi que correr com outra pessoa também é incrível, desde que ela tenha o mesmo espírito que você tem. Com a Mari, foi assim, de primeira – e não há um dia que eu não agradeça por tê-la como parceira de treino, asfalto, USP, Ibira, Run Club, Faria Lima, vida e rotina.

Se eu pudesse dar uma dica, falaria:  tenha uma parceira (o) de treino, isso com certeza fará o seu currículo running ser diferente, com menos ego e mais conquistas compartilhadas, com mais “eu ajudo você” do que “eu prefiro fazer sozinho”. Com mais “siga em frente, estou com você, eu sei que você pode”. Quem compartilha das próprias conquistas é bem capaz de fazer com que o outro também consiga buscar as deles – e juntos, com a mesma vibração, tudo se torna possível.